Yorranna Oliveira

Achei a imagem aí de cima pesquisando no Google. E ela define perfeitamente um pouco do que eu sou e da proposta do blog: tem de tudo um pouco, e um pouco de quase tudo o que gosto. Aqui você vai encontrar sempre um papo sobre música, cinema, comunicação, literatura, jornalismo, meio ambiente, tecnologia e qualquer outra coisa capaz de me despertar algo e a vontade de compartilhar com vocês. Entrem e divirtam-se!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Jornalismo Abundante


Foto: Yorranna Faial (Vozes Anais)
Modelo: Gleidson Gomes

Essa é uma nova vertente do jornalismo contemporâneo. Ela prima pelas formas físicas avantajadas do repórter, que facilitam o corpo a corpo com os entrevistados, o trabalho in loco em busca da melhor foto, da melhor entrevista que estará na matéria lida horas depois pelo leitor. O jornalismo abundante é um exercício de entrega, onde o jornalista se abre para o mundo, deixa o peito e todas as partes do corpo escancaradas para o outro, na tentativa de olhar, ouvir de verdade cada personagem para na hora da escrita traduzir em letras e pensamentos cada nuance desse contato com o universo alheio. Tudo com uma abundância sem precedentes, como Malinowski ensinou e Cazuza só praticou, o nosso limite reside no excesso.

4 comentários:

Adison César Ferreira disse...

Literalmente esta é a vertente mais profunda do jornalismo...rsrs

Jones Santos disse...

hauhuahauhua
Adoro a pós-modernidade!

Elma disse...

Quanta abundância. É Malinowski também mostra que as estratégias utilizadas para driblar as dificuldades também são importantes.
E essa abundância aí, nossa, também é DEZ. RSRSRSRSRSRS.

ELMA ASOBRAB

Anônimo disse...

NOSSA QUANTA ABUNDÂNCIA. rsrsrsrsrs.

'É Malinowski também diz que as estratégias utilizadas para driblar as dificuldades é de suma importância na pesquisa in locu. Nunca desdistir e sim mudar o rumo da pesquisa.'

Elma