Yorranna Oliveira

Achei a imagem aí de cima pesquisando no Google. E ela define perfeitamente um pouco do que eu sou e da proposta do blog: tem de tudo um pouco, e um pouco de quase tudo o que gosto. Aqui você vai encontrar sempre um papo sobre música, cinema, comunicação, literatura, jornalismo, meio ambiente, tecnologia e qualquer outra coisa capaz de me despertar algo e a vontade de compartilhar com vocês. Entrem e divirtam-se!

terça-feira, 30 de junho de 2009

Movimento dos Barcos (Canção de Jards Macalé)

“Tô cansado e você também. Vou sair sem abrir a porta...”. Jards Macalé, minha nova grande paixão musical, me inspira a escrever este texto, este relato, que não passa de um desabafo pra desafogar minhas dores e minhas tristezas.

Sabe, eu queria vencer esse cansaço, essa angústia infinita que se apoderou de mim.
Você entrou. Não pediu licença. Penetrou minha vida, minhas entranhas. Te quero fora de mim. Te quero longe, distante, num passado que te enterre e não retorne mais.

Eu cansei. Você cansou. Todos nós cansamos das dores, tristezas e alegrias compartilhadas. Cansamos desse ciclo de paixões incompletas, de amores não vividos por inteiro.

As quatro paredes também cansaram de ver meu amor sufocado.

A água do chuveiro roubou todas as minhas lágrimas. No chão, as gotas doces e amargas já não se distinguem mais.

Quero sair sem abrir a porta. Não olhar pra trás. Deixar o carinho, o amor, o sexo, o ódio, a dor, todos os nossos sentimentos trancados num tempo pretérito. Sair sem abrir a porta para você não me acompanhar.

Por isso eu te suplico: me deixe descansar, não me condene à prisão. Devolva minha vida, não me aprisione a você. Deixe-me ir. Liberte-me, liberte-me!

4 comentários:

Anônimo disse...

...Essa canção é simplesmente o que vivi n~çao faz tempo algum...
Grande Jards!

Pérolas da Comunicação disse...

sim, grande jards!

Gleidson Gomes disse...

Amor, desejo e sexo: três amiguinhos complicados com os quais conviver mas extremamente necessários a qualquer pessoa. Ninguém sai ileso quando se relaciona com um dos três, pior ainda com todos ao mesmo tempo. Mas a vida é nada sem erro ou dor: e por mais trágica que seja a história, nada apagará a beleza de tê-la vivido!

Pérolas da Comunicação disse...

eu acredito nisso: na beleza de tudo em que vivemos, sempre há um pouco em qualquer coisa, por mais sórdida que ela seja.